A TRAMA DA OBESIDADE

Quando nos deparamos com a questão da obesidade pensamos: O que realmente ela é? Será que ela é uma doença e devemos tratar com médicos? Será que ela é uma questão nutricional? Será que é uma questão psicológica? Ou será que é uma questão social diante de tanta cobrança que o corpo vive hoje em dia? Será que é tudo isso ou ainda não descobrimos o que realmente é a obesidade?

O texto do nosso colaborador Dr. Cley faz nós levantáramos estas questões. Confira!

A trama da obesidade

 Cley Rocha de Farias

Os desafios no tratamento do paciente com obesidade são enormes. Não temos uma especialidade que cuide do obeso de forma geral. O endocrinologista investiga se há alguma alteração hormonal ou algum erro no metabolismo como um hipercortisolismo e um hipotireoidismo. O nutrólogo e o nutricionista checam algum erro alimentar. E o psiquiatra e o psicólogo avaliam e acompanham o componente emocional nesse processo. Assim, o tratamento da obesidade está compartimentalizado, com cada profissional cuidando do seu “pedaço” e entrando muito pouco no espaço do outro profissional. Fazendo com que haja poucas chances de uma abordagem mais unificada.

Estamos longe de tratar o corpo como um organismo único e indivisível. Estruturamos nosso atendimento e compreensão das doenças em especialidades e diversas subespecialidades. Imaginemos o quão longe estamos de tratar esse corpo em conjunto com a mente/alma (como um todo). Não há como negar a comunicação existente entre corpo e alma. Um tratamento e/ou acompanhamento tenderá e realmente tende a uma baixa resposta, se o sujeito estiver sob um olhar meramente somático ou psicológico, sem a integração dessas duas formas de olhar e sentir o individuo.

A formação médica e dos profissionais da saúde em geral é organicista, engessada e cartesiana. Formando profissionais aterrorizados na escuta do subjetivo. Com muitas dificuldades de lidar com as emoções destes. Tendo sempre a pretensão de extirpa o “problema” do paciente, já que esse é totalmente orgânico/físico.

A obesidade é tratada como uma questão voluntária, em que o paciente obeso é totalmente culpado por sua condição. Fazendo desta, uma questão meramente de ingestão/gasto calórico. Deixando de lado o pra quê se come, o momento e a historia de cada individuo.

Assim, com essa visão simplória, restrita e minimalista da obesidade, os profissionais da saúde tem ajudado muito pouco os pacientes que desenvolvem essa condição. Os tratamentos são na grande maioria das vezes frustros.

Além de toda essa debilidade no nosso entendimento e abordagem da obesidade, temos as questões envoltas no sentimento do paciente. Este por sua vez espera um tratamento rápido, fácil e extirpador. Milagroso mesmo. Delegando ações que deveriam ser dele para os profissionais da saúde, familiares e pessoas próximas do seu convívio. Querendo atingir metas irreais em tempo ínfimo. Questão essa alimentada por nós mesmos.

O paciente faz pouca associação de toda complexidade de influentes que o levaram a chegar àquele peso. E sem esse processo de associação e autoconhecimento, os tratamentos estão e estarão sempre em xeque, com pouquíssima efetividade na melhoria da qualidade de vida e bem-estar.

Consultório Médico: Dr Cley Rocha. Rua Mato Grosso, 306, conj. 1101B Higienópolis 01239040 – São Paulo, SP – Brasil Telefone: (11) 21146455 Fax: (11) 21146456 me1

 

 

 

 

 

 

 

Postado por Patrícia Nechar Plus

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s